sábado, 24 de dezembro de 2011

A todos um Feliz Natal com uma mesa cheia de boa comida e bons vinhos!

Com a ajuda do Público aqui fica a viagem do bacalhau para que vos saiba ainda melhor logo à noite:


Para beber já sabem:

Espumante Borges Real Senhor Velha Reserva Bruto 2006 dos Vinhor Borges
Espumante São Domingos Baga Bruto das Caves São Domingos
Espumante Vinha Formal 2009 de Luís Pato

Colheita do Sócio Reserva branco 2010 da Adega da Covilhã
Herdade da Comporta branco 2010 desta terra abensonhada
Medieval de Ourém 2010 da Quinta do Montalto

Que seja um Natal muito, muito FELIZ!


Mais um presente de Natal, desta feita no suplemento Fugas do Público de hoje, véspera de Natal.


Já sabem o que vão beber na Ceia desta noite?

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Até no vídeo com os principais destaques da Visão desta semana está o nosso projecto!


http://aeiou.visao.pt/conheca-ja-a-visao-desta-semana=f640169



A Visão 7 desta semana dedica-nos quatro páginas, incluindo a capa!


Não podíamos ter melhor presente de Natal.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

O Prova Oral leu as notícias sobre este projecto e cá está uma entrevista que pretendia ser séria e explicar tudo:

Mais uma referência da Alexandra Prado Coelho, desta feita no Life & Style do Público:http://lifestyle.publico.pt/noticias/298060_a-semana-do-bacalhau
E voltaram as notícias, com a Alexandra Prado Coelho sempre na frente!
http://blogues.publico.pt/olhos-barriga/2011/11/27/que-vinho-para-o-bacalhau-da-consoada/

Júri da prova de harmonia entre vinhos portugueses e o bacalhau da Consoada:
Alexandra Prado Coelho, jornalista do jornal Público;
António Santos Mota, director da revista O Escanção;
Bruno Antunes, escanção e formador do Turismo de Portugal;
Célia Pedroso, co-autora do livro Eat Portugal, jornalista free lance de gastronomia e viagens;
Eduardo Miragaia, jornalista e editor da revista Epicur;
Helena Ales Pereira, editora da revista Lux Woman;
Henrique Raposo, investigador e cronista no Expresso;
João Bandeira, proprietário dos restaurantes A Casa do Bacalhau e Via Graça;
João Nuno Pereira Martins, sub-director do Banco Finantia SA;
Jorge Costa, empresário;
Jorge Morais, colaborador da Garrafeira Nacional;
José Prata, editor da Leya;
Lucy Pepper, co-autora do livro Eat Portugal, escritora e ilustradora;
Luís Costa Guimarães, engenheiro químico;
Manuel Ribeirinho, empresário;
Miguel Palma, director comercial da Herdade da Comporta;
Niki Segnit, food writer no jornal The Thimes e autora do livro “O Dicionário de Sabores”;
Nat Segnit, escritor e humorista;
Nuno Costa Santos, cronista do suplemento Tentações da revista Sábado;
Patrícia Fontana, chefe de cozinha e formadora no Grande Hotel São Pedro, Hotel-Escola Senac, São Paulo, Brasil;
Paulo Silva, colaborador da Decante;
Rui Filipe, supervisor de vendas e análise de mercado, produto e qualidade na Carlos & Alves e Riberalves;
Simão Oom, director do Banco Finantia SA;
Sónia Calheiros, jornalista da revista Visão.
Harmonia ComProvada entre Vinhos Portugueses e o Bacalhau da Consoada


A quarta prova deste projecto testou a harmonização entre vinhos tranquilos portugueses e o bacalhau da Consoada e realizou-se no dia 25 de Novembro de 2011, no restaurante A Casa do Bacalhau, em Lisboa.


Esta prova contou com o apoio da Carlos & Alves, que ofereceu os excelentes lombos de bacalhau que honraram de forma sublime o profissionalismo dA Casa do Bacalhau, que acolheu de forma pronta e com enorme empenho esta prova de harmonia que pretende ajudar a que a ceia de Natal em casa de cada família portuguesa seja perfeita.

Esta prova contou com a participação de Niki Segnit, que semanalmente escreve duas páginas sobre gastronomia no The Times e é autora do livro “O dicionário de sabores”.

Os vinhos que, de acordo com os 24 jurados desta prova harmonizaram melhor com o tradicional bacalhau de Consoada foram:

1º - Colheita do Sócio Reserva branco 2010 da Adega da Covilhã
2º - Herdade da Comporta branco 2010 
3º - Medieval de Ourém 2010 da Quinta do Montalto



Os nossos parabéns aos vencedores e o nosso agradecimento ao restaurante A Casa do Bacalhau e à empresa Carlos & Alves/Riberalves.


Júri da prova de harmonia entre espumantes portugueses e o bacalhau de Consoada:
Alexandrino Amorim, administrador das Caves São Domingos;
Andrezina Gomes, bancária;
 António Mendes Nunes, jornalista de vinhos;
 António Rodrigues, administrador das Caves São Domingos;
 António Santos Mota, director da revista O Escanção;
Armando Vicente, desvinculado da função pública;
Carlos Pompeu, proprietário do restaurante Pompeu dos Frangos;
Eduardo Miragaia, jornalista e editor da revista Epicur;
Emílio Sousa Magalhães, administrador da Palácio da Brejoeira – Viticultores, S.A.;
Florbela Alves, jornalista da Visão;
Jorge Costa, empresário;
José Augusto Moreira, jornalista do jornal Público;
José Cid dos Santos, jornalista;
José Domingues, director de restauração na Cervejaria da Esquina;
José Miguel Menezes de Almeida, Coordenador da Câmara de Provadores da Comissão Vitivinícola da Bairrada;
Lucília Monteiro, fotógrafa da revista Visão;
Luís Pato, enólogo e produtor de vinhos;
Manuel Ribeirinho, empresário;
Paulo Prior, responsável de enologia da marca Mateus;
Pedro Guerreiro, director de marketing dos Vinhos Borges;
Pedro Vasconcellos e Souza, enólogo e administrador da Sociedade Agrícola Casa de Santar;
Ricardo Nogueira, proprietário do restaurante Mugasa;
Susana Pinho, enóloga das Caves São Domingos;
Vítor Canastro, funcionário público.
Harmonia ComProvada entre Espumantes Nacionais e o Bacalhau da Consoada

A terceira prova deste projecto testou a harmonização entre espumantes portugueses e o bacalhau da Consoada e realizou-se no dia 22 de Novembro de 2011, na Adega Luís Pato, em Anadia.
 

O bacalhau da Consoada foi confeccionado pelo chefe Luís Américo, que respeitou a tradição servindo lombos de bacalhau, batatas, cenouras, couves-pencas, cebolas e ovos, tudo simplesmente cozido no ponto certo e temperado com azeite fervido com um dente de alho.

Os vinhos espumantes que, de acordo com um júri ecléctico constituído por 24 pessoas, harmonizaram melhor com o tradicional bacalhau de Consoada foram:

1º - Borges Real Senhor Velha Reserva Bruto 2006
2º - São Domingos Baga Bruto
3º - Vinha Formal 2009



Os nossos parabéns aos vencedores e o nosso agradecimento à Adega Luís Pato.


Júri da prova de harmonia entre vinhos portugueses e cavala de escabeche no restaurante Cafeína:
Alexandrino Amorim, administrador das Caves São Domingos;
Alfredo Mendes, jornalista;
Ana Rato, directora de marketing da Adriano Ramos Pinto – Vinhos, S.A;
Andreia Andrade, responsável da qualidade e do engarrafamento do vinho do Porto da Adriano Ramos Pinto – Vinhos, S.A;
António Mendes Nunes, jornalista de vinhos;
Beatriz Machado, directora de vinhos do The Yeatman Hotel;
Cristina Almeida, empresária;
Helena Ales Pereira, editora da revista Lux Woman; 
João Bruscky, director comercial;
João Melo, comercial da Herdade da Comporta;
Jorge Alão, empresário;
Jorge Costa, empresário;
José Augusto Moreira, jornalista do jornal Público;
 José Maria Calém;
José Pinto Hespanhol, director comercial na área financeira, ex-proprietário da Casa Gourmet e Studio Wine;
José Serôdio, proprietário da Enoteca;
Luís Costa, sub-director de informação da RTP;
Manuel Ribeirinho, empresário;
Manuel Vieira, director de enologia no Grupo Sogrape Vinhos, responsável pelos vinhos do Dão e Verdes;
Maria João Alão, empresária;
Miguel Sousa Otto, marketeer e empresário;
Sérgio Aires, cronista do suplemento Tentações da revista Sábado.
Harmonia ComProvada com Cavala de Escabeche



A segunda prova realizada no âmbito deste projecto testou a harmonização entre vinhos portugueses e a cavala de escabeche e realizou-se no dia 3 de Novembro de 2011, no maravilhoso restaurante Cafeína, na Foz do Douro, no Porto.

Para esta prova de harmonização com a cavala de escabeche foi exigido que cada vinho tivesse um preço no produtor inferior a 7,00€ para que não houvesse um desfasamento muito grande com o baixo preço da deliciosa e saudável cavala.
Os vinhos que os 24 jurados consideraram ser os que melhor acompanharam a sardinha assada com batata cozida e salada mista foram:

1º Via Latina2º Terra a Terra branco 20103º São Domingos branco 2010

Os nossos parabéns aos vencedores e os nosso agradecimento ao Vasco Mourão e a toda a equipa do Cafeína!
Mais uma referência e esta com animação e poesia:
http://www.magnacasta.com/blog/harmonia-entre-vinhos-portugueses-e-sardinha-assada

Muito obrigada Nuno.
Ser responsável por uma boa notícia é uma alegria imensa:


http://www.boasnoticias.pt/noticias_Os-melhores-vinhos-para-acompanhar-sardinha-assada_8633.html
É uma enorme honra ver este projecto apresentado pela Alexandra Prado Coelho:


http://blogues.publico.pt/olhos-barriga/2011/10/26/que-vinho-para-as-sardinhas-assadas/


RTP - Portugal em directo

video




A sardinha assada liga bem com um Conde de Vimioso
Por Alexandra Prado Coelho
FUGAS 05.11.2011

Treze vinhos, em prova cega, e muitas sardinhas assadas com batatas e pimentos - foi a primeira de 50 provas de harmonia entre pratos portugueses e vinhos, um projecto de Alexandra Maciel que irá dar um livro em 2012. Fomos saborear o primeiro teste.


Parece uma coisa simples, escolher um vinho para acompanhar um prato de sardinhas assadas, com batata cozida e salada com pimentos? Não é. Há vinhos mais indicados para a sardinha assada, como haverá para qualquer outro prato. Acontece que foi a sardinha o primeiro escolhido por Alexandra Maciel para o seu projecto: um livro, a sair em 2012, descrevendo 50 provas de harmonia, realizadas ao longo de um ano, entre vinhos e pratos portugueses (inspirado numa prova que fez recentemente com vinhos generosos e pastéis de nata).


E por isso lá estávamos todos numa noite de terça-feira, no Restaurante Verde Gaio, em Campo de Ourique, Lisboa, para o arranque do projecto. E Jorge, o dono do Verde Gaio, desesperado, porque logo neste dia a sardinha havia de desaparecer. O mau tempo dos dias anteriores impedira a pesca e não havia sardinhas à venda. Só em Peniche é que Jorge as encontrou e pôde finalmente respirar de alívio.


Tínhamos, portanto, as sardinhas. E os vinhos enviados pelos produtores. Alexandra Maciel convidou os produtores nacionais indicados no Guia Vinhos de Portugal 2012 de João Paulo Martins. O objectivo era ter um branco, um rosé e um tinto de cada uma destas regiões: Vinhos Verdes, Douro, Trás-os-Montes, Bairrada, Dão, Beiras, Tejo, Lisboa, Setúbal, Alentejo, Algarve, Açores e Madeira.


Mas havia duas condições: cada vinho deveria ter um preço no produtor que não ultrapassasse os quatro euros (a sardinha assada não pede vinhos nobres) e uma produção mínima de 100 mil garrafas (imaginemos que na época dos Santos Populares todos queriam beber aquele vinho - teria o produtor capacidade de dar resposta?). Esta segunda condição deixou de fora algumas regiões - os Açores, a Madeira, o Algarve e Trás-os-Montes.


No júri há 24 pessoas com perfis diferentes, dos conhecedores aos curiosos, dos especialistas aos principiantes. Sentemo-nos então à mesa. Temos (embora essa informação só nos chegue mais tarde, já no final da prova) Vinhos Verdes, do Douro, das Beiras, do Dão, do Tejo, de Lisboa, de Setúbal e do Alentejo. E à nossa frente um individual de papel com cinco rodelas numeradas. Em cada uma os empregados pousavam um copo de pé, negro. Começamos com cinco vinhos.


Chegar a este ponto exige algum trabalho prévio. Alexandra organizou uma pré-prova com dois especialistas para decidir a ordem pela qual os vinhos devem ser apresentados. É consensual que tem que se começar pelos vinhos mais suaves e avançar até aos mais fortes. Foi um ensaio do que iria ser o jantar. Também aí o Verde Gaio serviu as sardinhas (nesse dia bastante mais gordas) e experimentaram-se os 13 vinhos, mas com os rótulos à vista.


A ordem ficou a seguinte: Lóios Branco 2010; Altano Branco 2010; Varanda do Conde Alvarinho/Trajadura; Conde Vimioso Rosé 2010; Portada Rosé 2010; Tinto da Talha 2009; Chão das Rolas Tinto 2010; Conde Vimioso Tinto 2009; Vale do Viso Tinto 2008; Serrado Colheita Tinto 2008; Piornos Reserva Tinto 2007; Quinta da Lixa Vinhão (verde tinto); Portada Tinto 2009.


Voltemos à mesa, onde os membros do júri estão a enfiar os narizes dentro dos copos negros e a inspirar profundamente para perceber qual é o vinho. Todos identificam os brancos (a temperatura a que são servidos também dá pistas, e Alexandra deu ao restaurante uma folha com as temperaturas a que cada produtor aconselha que o seu vinho seja servido). Começam-se a ouvir comentários. Os provadores tomam notas numa folha branca, não arriscando ainda a dar pontuações (que vão de 0 a 20, entre o totalmente desequilibrado e o muito equilibrado) sem ter experimentado os vinhos seguintes.


Ouvem-se os primeiros comentários. "Esta prova é difícil", dizem alguns. A sardinha é um peixe com um sabor forte, por isso é natural que os vinhos mais suaves sejam "esmagados". Mas o que, na opinião de vários membros do júri, torna tudo mais difícil é que tem que se ter em conta não apenas o sabor das sardinhas, mas o das batatas e, sobretudo, do pimento.


Lá se dá mais uma garfada, tentando juntar todos os elementos, e depois um gole de um copo, outra garfada e um gole de outro, uma nota rabiscada na folha branca para não nos esquecermos e, a pouco e pouco, as diferenças começam a ficar mais evidentes, mesmo para um não conhecedor. Há vinhos demasiado fortes, outros demasiado adocicados, personalidades demasiado vincadas, escolhas que estariam muito bem para outros pratos, mas não para as sardinhas, que continuam a chegar à mesa acabadas de assar.


E, curiosamente, no final os gostos (ou seja, as pontuações) revelam-se e parece que há um consenso. Uma combinação equilibrada é algo que acaba por surgir como evidente. E neste caso, o que escolheu o júri para comer com sardinhas assadas? Nos dois primeiros lugares dois vinhos do Tejo: o Conde de Vimioso Tinto 2009, e o Conde de Vimioso Rosé 2010; e em terceiro o Piornos Reserva Tinto 2007.


Aguardemos para saber o que revela a próxima prova. O desafio é difícil. Desta vez a pergunta é: que vinho devemos beber com a cavala de escabeche?


Júri da prova de harmonia entre vinhos portugueses e a sardinha assada:
Alexandra Prado Coelho, jornalista do jornal Público;
Anabela Neves, RTP, Portugal em Directo;
 António Falcão, chefe de redacção da Revista de Vinhos;
     António Mendes Nunes, jornalista de vinhos;
     António Santos Mota, director da revista O Escanção;
     Davide Pinheiro, jornalista do jornal Diário de Notícias;
     Edgardo Pacheco, editor do suplemento Tentações da revista Sábado e editor de gastronomia do jornal Correio da Manhã;
     Eduardo Miragaia, jornalista e editor da revista Epicur;
     Hugo Almeida, director de marketing da cadeia Holmes Place;
     Helena Ales Pereira, editora da revista Lux Woman;
     Hugo Daniel Sousa, jornalista do jornal Público;
     Jorge Costa, empresário;
     José Prata, editor da Leya;
     Luís Antunes, professor universitário e redactor da Revista de Vinhos;
          Luís Costa Guimarães, engenheiro químico;
     Manuel Moreira, escanção e um dos proprietários do restaurante Gspot Gastronomia; 
     Manuel Ribeirinho, empresário;
     Miguel Palma, director comercial da Herdade da Comporta;
     Nuno Gonçalo Monteiro, autor e editor do site/blog Magna Casta;
    Patrícia Maia, editora do portal Boas Notícias;
   Ralf Schmidt, sócio-gerente da Alug’aqui e da Schmidt-Stosberg, representante da Schott Zwiesel e da Le Verre de Vin em Portugal;
   Susana Marinho, produtora de eventos;
 Vicente Themudo de Castro, jornalista especializado em gastronomia e vinhos.



A primeira prova realizada no âmbito deste projecto testou a harmonização entre vinhos portugueses e a sardinha assada e realizou-se no dia 25 de Outubro de 2011, no restaurante Verde Gaio, em Lisboa.

Para esta prova de harmonização com a sardinha assada foi exigido que cada vinho tivesse um preço no produtor não superior a 4,00€ e uma produção mínima de 100.000 garrafas. Estes critérios foram definidos tendo em conta que os vinhos vencedores desta prova têm de ser vinhos populares, ou seja, baratos, fáceis de encontrar em todo o país e em que a probabilidade de estarem esgotados em Junho, mês dos Santos Populares, seja bastante reduzida.

Os vinhos que os 24 jurados consideraram ser os que melhor acompanharam a sardinha assada com batata cozida e salada mista foram:

1º Conde de Vimioso tinto 2009
2º Conde de Vimioso rosé 2010
3º Piornos Reserva tinto 2007

Os nossos parabéns aos vencedores!




O projecto Harmonias ComProvadas pretende reunir num livro diversas provas de harmonização entre vinhos e pratos tradicionais portugueses. 

Este projecto nasceu do enorme incentivo de alguns jornalistas e produtores de vinhos para replicar a prova de harmonização entre o pastel de nata e os vinhos generosos por mim realizada no dia 25 de Julho de 2011.

Apesar de contar com grande adesão dos órgãos de comunicação social, creio que é fundamental um registo mais perene e exaustivo destas provas de harmonização. Assim surgiu a ideia da realização de um livro com 50 provas de harmonização entre vinhos e pratos tradicionais portugueses.
Os objectivos deste projecto passam por:
- incentivar o gosto pela ligação harmoniosa entre o vinho e a comida;
- incentivar o bom serviço de vinhos nos restaurantes;
- incentivar a oferta de produtos nacionais nos restaurantes e a sua procura por parte dos clientes;
- incentivar o consumo moderado de vinho português, que é um dos motores da nossa economia por toda a riqueza e emprego que cria à sua volta, nomeadamente no sector vidreiro, da cortiça, do marketing, da publicidade e do turismo;
- divulgar a gastronomia portuguesa, que inclui o consumo moderado de vinho, (tal como a dieta mediterrânica);
- combater mitos e preconceitos;
- abrir horizontes no sector da crítica gastronómica convidando toda a população a integrar o júri destas provas de harmonização.

O conteúdo do livro será o seguinte:
- introdução, expondo a metodologia das provas e os critérios de selecção dos jurados, dos pratos e dos vinhos;
- história e receita de cada prato, de acordo com o local que o confeccionar;
- apresentação e história de cada chef que confeccionar um prato e/ou do local de realização de cada prova;
- ficha técnica e história de todos os vinhos vencedores e dos seus produtores;
- identificação do júri de cada prova;
- curiosidades e detalhes de cada prova ou da sua organização.

Este projecto é pioneiro em testar exaustivamente as harmonizações entre pratos e vinhos portugueses e também a estender esta análise a qualquer pessoa que tenha interesse em participar, não se limitando aos especialistas do sector. Pretende-se que o resultado da avaliação do júri seja transversal, isto é, que inclua a avaliação de críticos especializados, de pessoas com alguma experiência e de curiosos interessados e esforçados, obtendo-se assim um resultado bastante próximo da opinião do consumidor esclarecido.
Um estudo de Paulo Ramos, docente e investigador da Universidade Fernando Pessoa, no Porto, intitulado “As diferenças na perceção dos atributos do vinho: um estudo comparativo entre consumidores, produtores e intermediários”, premiado pela Organização Internacional do Vinho e da Vinha, concluiu que “os consumidores possuem uma perceção mais clara e distinta dos atributos do vinho do que os intermediários e produtores.”

Estas provas contarão com um júri de cerca de 25 pessoas que poderão variar de prova para prova, mas tentaremos incluir sempre jornalistas, especialistas em vinhos ou gastronomia, pessoas com experiência em provas de vinhos e pessoas completamente inexperientes para que o resultado seja o mais próximo possível do gosto do consumidor comum.

A selecção de vinhos participantes teve como base os produtores de vinhos indicados no Guia Vinhos de Portugal 2012 de João Paulo Martins, tendo sido convidados à participação nesta prova todos os que indicavam endereço de e-mail ou sítio na internet. O objectivo era ter um branco, um rosé e um tinto de cada uma das seguintes regiões: Vinhos Verdes, Douro, Trás-os-Montes, Bairrada, Dão, Beiras, Tejo, Lisboa, Setúbal, Alentejo, Algarve, Açores e Madeira.

Para a realização destas provas contamos com o apoio da Alug’Aqui através do fornecimento de copos pretos para provas cegas Sensus Preto Schott Zwiezel, fundamentais para a ausência de preconceitos nestas provas de harmonização entre vinhos e pratos tradicionais portugueses. Contamos também com o apoio dos locais onde se realizarão as provas e dos produtores de vinhos nacionais.

Qualquer pessoa pode participar nestas provas, bastando para tal enviar um e-mail para amaciel@amaciel.net, sendo seleccionados os 25 jurados por ordem de chegada das inscrições em cada categoria: especialistas; experientes e inexperientes.
  
Os vinhos vencedores de cada prova poderão ostentar o selo ouro, prata ou bronze de Harmonia Comprovada com o respectivo prato.